Resenha do filme Gaby - Uma História Verdadeira

07:00:00 Professora Manuka 0 Comentários

O filme conta a história de Gaby, a segunda filha de um casal que morava na cidade do México, que nasceu em 12/09/1947. Aparentemente saudável, pesando 3 quilos, mas enquanto sua mãe se recuperava foram surgindo os primeiros sinais de que havia algo diferente com ela.

Fonte: divulgação.

Desde que Gaby era recém-nascida, sua mãe notou algo diferente, pois ela chorava incessantemente, um choro estridente, e não mamava. Os anos foram passando e os pais de Gaby notaram que ela não andava, não falava e não tinha controle das suas necessidades fisiológicas, algo incomum na idade dela. Sua mãe não se conformava, pois seu primeiro filho David nascera sadio.

Seus pais procuraram diversas opiniões médicas em vários lugares, até que Gaby foi diagnosticada com paralisia cerebral, doença que afetava todo seu corpo, incluindo suas cordas vocais.

O pai de Gaby a via como um problema, por ela não ser como o irmão e por não conseguirem curá-la, não importa em quantos médicos fossem. Já a mãe continuava esperançosa de que, com os cuidados certos, a filha pudesse ter uma vida satisfatória.

Gaby ficava dentro de casa sem ser exposta até para os empregados, a fim de evitar certos comentários ou até mesmo como uma maneira de proteção encontrada pelos pais, mas ainda havia sempre alguém dizendo que talvez a menina não tivesse braços e sua cabeça fosse virada, acreditando que seria castigo dos deuses, já que sua família não acreditava em Deus.

Gabriela era cuidada por uma babá que não se mostrava carinhosa, porém havia uma das empregadas chamada Florência que ao fazer suas obrigações observava a menina enquanto era alimentada por sua babá. A menina acabava empurrando o alimento e enquanto sua babá sai do quarto, Florência aproveita para observar a menina em seu berço, chegando a acariciar seu rosto, a menina lhe responde com um belo sorriso.

Após isso, Florência retira Gaby no meio da noite para alimentá-la enquanto lhe conta uma história de sua irmãzinha de quando ela era pequena. A menina rejeita o alimento empurrando com seu pé, então Florência encontra ali naquele pequeno gesto uma maneira de ensinar Gaby a se comunicar. 

No mesmo instante, Florência é surpreendida com a criança no colo, sua babá toma a menina de seu colo e ela acaba chorando, chamando a atenção de seus pais, que ao chegarem à cozinha, ficam felizes ao ver que sua filha comeu tudo, então a partir deste dia Florência passa a ser a babá de Gaby.

Gaby começa a ter aulas em casa com a ajuda de sua mãe e de Florência através de uma placa com o alfabeto, onde a menina tocava as letras com seu pé formando palavras. 
 
David, seu irmão, pretende sair e seus pais não autorizam e acabam discutindo na presença de Gaby, que acaba sentindo-se um empecilho e fica deprimida, recusando-se até mesmo a ir à escola. 

Seu pai tenta convencê-la, citando exemplos de pessoas que tinham dificuldades, mas que não desistiram e conseguiram fazer sucesso como Beethoven, que era surdo quando compôs uma música que eles estavam ouvindo.

Gaby começa a frequentar uma escola para pessoas com necessidades especiais, onde conhece Fernando e os dois começam a se envolver e desfrutar de descobertas e momentos especiais. O rapaz não gostava do método de avaliação da escola especial que eles frequentavam: todos passavam, independentemente da nota que tirassem. Propôs a Gaby que fizessem o teste para a escola regular.

Gaby usando uma máquina de escrever com os pés. Fonte: divulgação.

Os pais de Gaby foram em busca de escolas que aceitassem fazer um teste para que ela pudesse estudar em uma sala regular, mas muitas se negaram, dizendo que o lugar de Gaby não era lá e sim em uma escola especial. Buscaram até que encontraram uma escola que aceitou fazer o teste.

No dia marcado, Gaby compareceu, mas Fernando não foi. Quando ela foi a sua casa, descobriu que a ausência foi devido à falta de apoio dos pais dele, que não o levaram no dia do teste e também duvidavam da capacidade do filho, o oposto dos pais de Gaby, que a apoiavam e encorajavam a seguir adiante. Os caminhos dos dois agora tomam rumos diferentes.

Já na escola regular, Gaby se depara com a falta de acessibilidade, uma vez que não há rampas, só escadas. Além disso, é possível observar a prática de bullying por parte de alguns alunos que se aproveitam da vontade da protagonista de fazer amigos.

Em 1970, Gaby entra na Universidade do México, onde conhece Luís e se apaixona por ele. Florência tenta impedir que eles se aproximem, por temer que sua protegida se magoe, então as duas começam a se desentender. Os pais de Gaby acham que Florência não está conseguindo acompanhá-la na faculdade e quase a despedem de seu trabalho, mas ela acaba entendendo que a jovem tem o direito de escolher com quem se relaciona.

Luís consegue um emprego para Gaby em um jornal, escrevendo artigos. O pai de Gaby, Michel, falece, sua mãe vai se tratar de uma doença no exterior e seu irmão termina os estudos e vai para Israel.

Quando a jovem expressa seus sentimentos para Luís, ele a rejeita. Desiludida, ela chuta uma janela de vidro e acaba indo parar em um pronto socorro. Lá, Florência recebe uma ligação da mãe de Gaby anunciando sua volta, as duas gastam quase todas as suas economias com flores para a chegada de sua mãe.

Gaby publicou um livro sobre sua vida em 1979. Três anos depois, sua mãe acaba falecendo em decorrência de um câncer, ficando somente Florência ao seu lado, então elas decidem adotar uma menina recém-nascida, dando-lhe o nome de Alma Florência.

Autobiografia de Gaby Brimmer. Fonte: divulgação.

Tópicos para observar no filme Gaby: Uma História Verdadeira

- Relação de Gaby com a mãe;

- Relação de Gaby com o pai;

- Como era o choro da protagonista quando recém-nascida;

- Como foi a amamentação dela;

- Diagnóstico inicial do médico sobre Gaby;

- Reações dos pais ao receberem esse diagnóstico;

- Tratamento da primeira babá de Gaby para com a menina;

- Tratamento que Florência dava à menina;

- Comunicações alternativas usadas por Gaby;

- Como era a escola para pessoas com necessidades especiais: realmente incluía ou usava de piedade para com os alunos?;

- Autonomia de Gaby nas atividades diárias;

- Se em algum momento a protagonista se acha incapaz de prosseguir com sua vida;

- Relacionamento de Gaby com Fernando;

- Como é a busca por uma escola regular: Gaby é aceita ou rejeitada?;

- Diferenças entre os pais de Gaby e os de Fernando;

- Acessibilidade na escola regular;

- Bullying;

- Como era a rotina de Gaby na Universidade;

- Relacionamento amoroso da protagonista na Universidade;

- Reação de Florência diante desse novo envolvimento amoroso de Gaby;


- Emprego e vida adulta. 

- Veja também: 

0 comentários:

César Lattes: entre o méson pi e o lado humano

07:00:00 Professora Manuka 0 Comentários

Não é essencial possuir instrumentos de última geração para fazer ciência de qualidade. Essa ideia era expressa por Lattes e representava o seu entendimento sobre a realização da pesquisa científica.

César Lattes dando aula. Fonte: imagens públicas do Google.

Segundo ele, os fenômenos físicos também se revelam ao instrumental mais antigo, embora isso demande mais emprenho.

Com facilidade para se comunicar e com tom alegre na fala, procurava, de forma provocativa, conduzir os diálogos dos quais gostava de participar. Assim era o homem Cesare Mansueto Giulio Lattes (César Lattes), paranaense nascido em Curitiba, em junho de 1924.

Aos 18 anos, ingressou no Departamento de Física da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo.

Na condição de estudante, Lattes pôde desenvolver estudos teóricos sobre Física com Gleb Wataghin e Mário Schenberg, mas seu convívio com o físico italiano Giusseppe Occhialini (1907-1990) levou-o a priorizar a física experimental.

Nessa época, Lattes construiu e colocou em funcionamento um tipo de detector de partículas denominado câmara de Wilson.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Occhialini foi afastado do seu cargo acadêmico e, com o fim do conflito, decidiu ir para a Universidade de Bristol. Nessa época, Lattes enviou uma carta para Occhialini contendo a foto de uma cascata eletromagnética, obtida durante seus estudos com a câmara de Wilson.

Esse fato chegou ao conhecimento do físico inglês Cecil Frank Powell (1903-1969), que, junto com Occhialini, convidou Lattes para participar do grupo de pesquisas que o levariam, em 1947, a descobrir o méson pi.

César Lattes e Giuseppe Occhialini. Fonte: imagens públicas do Google.

Lattes não chegou à descoberta do méson pi (ou píon) de uma hora para outra. Antes dele, em meados da década de 1930, o físico japonês Hideki Yukama (1907-1981) havia previsto teoricamente a existência do píon, uma partícula ligada à força nuclear e à estabilidade do núcleo atômico.

Em 1948, junto com o norte-americano Eugene Gardner, detectou artificialmente mésons pi utilizando o acelerador da Universidade de Berkeley, na Califórnia.

Como resultado, Yukawa e Powell foram agraciados com o prêmio Nobel de Física dos anos de 1949 e 1950.

O méson pi é uma partícula subatômica mantida por ação da força nuclear. Na época do desenvolvimento da Física Nuclear, a sua descoberta ajudou a compreender o motivo de o núcleo de um átomo, sendo composto por prótons (carga positiva) e nêutrons (carga neutra), se manter unido e estável.

Por essa partícula ter massa intermediária entre a do próton e a do elétron, recebeu o nome de méson, “meio” em grego.

A repercussão dessa descoberta permitiu que Lattes, aos 23 anos, fosse reconhecido internacionalmente pela comunidade científica.

As portas de vários centros de pesquisas e universidades estrangeiros se abriram para ele, que optou por retornar ao Brasil e fazer uso do prestígio conquistado para contribuir com uma sociedade carente de produção de conhecimento científico.

Dessa forma, tornou-se um dos grandes responsáveis pelo desenvolvimento da produção de conhecimento científico no Brasil e na América Latina.

Desde meados da década de 1940, publicou vários trabalhos científicos. Foi também responsável pela formação do Instituto de Física da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em São Paulo.

Em março de 2005, por insuficiência cardíaca, Lattes faleceu. Em sua trajetória de vida, mostrou-se sempre avesso às grandes homenagens e a cargos públicos, por entender que a sua independência como cidadão e crítico deveria ser preservada.

Porém, entre os amigos foi sempre um contador de casos e histórias, que detalhava com maestria.

Fonte:

FILHO, Benigno Barreto; SILVA, Claudio Xavier. Física aula por aula: mecânica dos fluidos, termologia, óptica (coleção Física por aula, vol. 2). São Paulo: FTD, 2010, 1ª ed. 

- Veja também: 

Por que a escala Kelvin de temperatura não possui grau? 

Uma maçã realmente caiu na cabeça de Newton?

0 comentários:

Tetris usado na prevenção de sintomas de estresse pós-traumático

07:00:00 Professora Manuka 0 Comentários

O transtorno de estresse pós-traumático acomete algumas pessoas após eventos nos quais sintam que sua vida corre risco. Pesquisadores vêm testando como o jogo Tetris pode ajudar na prevenção do aparecimento desses sintomas. Acompanhe:

Ilustração do jogo Tetris. Imagem: Freepik.

Uma única intervenção psicológica, que inclui o jogo de computador Tetris, pode prevenir que memórias intrusivas e desagradáveis se desenvolvam em algumas pessoas após sofrerem um evento traumático.

Pesquisadores foram capazes de demonstrar de que forma os sobreviventes de acidentes de veículos motorizados tiveram uma queda desses sintomas se jogarem Tetris até seis horas depois de darem entrada no hospital, depois de terem, também, sido questionados sobre o que se lembravam do acidente.

Os resultados do estudo, que foi conduzido por pesquisadores do Instituto Karolinska em parceria com a Universidade de Oxford e outras instituições, foram publicados no jornal Psiquiatria Molecular.

O transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) pode afetar pessoas que passaram por experiências de guerra, tortura, estupro, acidentes de trânsito ou outros tipos de situação em que o indivíduo sentiu que a sua vida ou a de outrem estava em perigo.

Enquanto que a maioria das pessoas não desenvolve o TEPT depois de um trauma, aqueles que o desenvolvem se queixam de terem memórias intrusivas do evento (popularmente chamadas de flashbacks).

O tratamento cientificamente comprovado para o TEPS inclui terapia cognitivo-comportamental focada no trauma, mas não se tem notícia de intervenções preventivas para evitar o surgimento dos sintomas.

Emily Holmes, professora de psicologia do Departamento de Neurociência Clínica do Instituto Karolinska, passou muitos anos estudando os tipos de efeitos preventivos que intervenções comportamentais – como o processo incluindo o jogo Tetris – podem ter na redução de memórias intrusivas após um evento traumático.

Anteriormente, ela estudou indivíduos saudáveis em ambientes laboratoriais controlados. Agora, juntamente a sua colega de Oxford Doutora Lali Iyadurai levaram seu experimento para fora do laboratório pela primeira vez e foram para uma clínica a fim de estudar pacientes que sofreram acidentes traumáticos envolvendo veículos motorizados.

Imagem: Freepik.

Estudos anteriores demonstraram que uma em cada quatro pessoas que se se envolveu em tais acidentes irá desenvolver o TEPT.

“Nossa hipótese era que, depois do trauma, os pacientes poderiam ter uma diminuição das memórias intrusivas se jogassem Tetris como parte de uma curta intervenção comportamental enquanto estivessem aguardando atendimento na emergência do hospital,” disse a professora Holmes.

“Uma vez que o jogo demanda atenção visual, queríamos ver se ele poderia prevenir que os aspectos intrusivos das memórias traumáticas se estabelecessem, isto é, rompendo um processo denominado consolidação da memória.”

O estudo envolveu 71 vítimas de acidentes com veículos motorizados, das quais a metade recebeu a intervenção (relembraram o trauma brevemente e depois jogaram Tetris) enquanto esperavam na emergência do hospital, enquanto a outra metade realizou uma tarefa diferente, todas realizadas até seis horas depois do acidente.     

Os resultados mostraram que a hipótese dos pesquisadores estava correta: aqueles que jogaram Tetris tiveram menos memórias intrusivas do trauma no decorrer da semana imediatamente subsequente ao acidente em relação ao outro grupo.

Os cientistas também descobriram que as memórias intrusivas diminuíram mais rapidamente.

“A primeira semana depois do trauma pode ser decisiva para nossos pacientes, os quais precisam ir para casa, recuperar-se e prosseguirem com suas vidas, o que pode ser difícil se tiverem memórias intrusivas do trauma, com uma frequência de vários episódios por dia”, diz a Doutora Iyadurai.

O resultado primário da pesquisa foi o número de memórias intrusivas na primeira semana após o trauma.

É necessária uma pesquisa mais aprofundada com grupos maiores de pacientes, para verificar se os benefícios psicológicos da intervenção persistem por um período maior – como um mês, que é o período mais curto em que o TEPT pode ser diagnosticado.

Além disso, é preciso examinar se jogos semelhantes podem ser usados em pessoas que já desenvolveram o TEPT. Um número significativo de refugiados, por exemplo, apresentam sintomas do TEPT.

“Qualquer pessoa pode vivenciar um trauma”, diz a professora Holmes. “Faria uma grande diferença para muitas pessoas se pudéssemos criar intervenções psicológicas e comportamentais usando jogos de computador para prevenir o sofrimento pós-traumático e poupá-los dessas terríveis memórias intrusivas. Contamos que isso esteja próximo e será necessária mais pesquisa.”  

Os pesquisadores do Instituto Karolinska (Suécia) e da Universidade de Oxford (Reino Unido) colaboraram com colegas da Unidade de Ciências do Conselho Médico de Pesquisa Cerebral e Cognitiva de Cambridge (Reino Unido), Universidade de Ruhr (Alemanha) e Universidade de East Anglia (Reino Unido).

O estudo foi financiado por fundos oriundos de diversas instituições, incluindo o Instituto Nacional de Pesquisa em Saúde do Reino Unido, Conselho de Pesquisa Médica do Reino Unido e The Wellcome Trust.

O artigo completo “Prevenindo Memórias Intrusivas depois de um Trauma via Intervenção Breve Envolvendo o Jogo de Computador Tetris no Departamento de Emergência” pode ser lido no jornal Psiquiatria Molecular.

Fonte: Oxford. 

Tradução e adaptação: Professora Manuka.

- Veja também: 

Lenda da Origem do Xadrez e dos Grãos de Trigo

Efeitos da Altitude no Corpo de um Alpinista

0 comentários:

Expressões populares com nome de partes do corpo humano

07:00:00 Professora Manuka 0 Comentários

Já ouviu expressões como em boca fechada não entra mosquito ou borboletas no estômago? Elas têm em comum o fato de serem formadas por partes do corpo humano, não literalmente, é claro, mas figurativamente, ganhando um novo significado.

Imagem: Freepik.

Acompanhe abaixo uma lista de expressões com nome de partes do corpo humano que usamos em nosso cotidiano:

Abrir o coração
Exemplo: Preciso abrir meu coração com você.
Definição: desabafar.

Abraçar o mundo com as pernas
Exemplo: Marcos quer abraçar o mundo com as pernas.
Definição: fazer mais do que se consegue.

Amigo do peito
Exemplo: Marcos é meu amigo do peito.
Definição: grande amigo.

As paredes têm ouvidos
Exemplo: Não fale sobre dinheiro nessa casa, pois as paredes têm ouvidos.
Definição: alguém pode escutar.

Apontar o dedo
Exemplo: Não se deve apontar o dedo para alguém sem provas.
Definição: acusar.

Barriga branca
Exemplo: Aquele seu namorado é um barriga branca.
Definição: pessoa que não tem opinião/que não se impõe.

Barriga d’água
Exemplo: Esta criança está com barriga d’água.
Definição: sinônimo de esquistossomose.

Bater o pé
Exemplo: Bati o pé e disse que faria do meu jeito.
Definição: posicionar-se; decidir-se.

Boca do inferno
Exemplo: Hoje, leremos um poema do autor cuja alcunha é “Boca do Inferno”.
Definição: apelido dado a Gregório de Matos pelas críticas que fazia à Igreja em suas poesias.

Boca suja
Exemplo: Aquele seu amigo é muito boca suja.
Definição: pessoa que fala muitos palavrões.

Borboletas no estômago
Exemplo: Quando estou perto do João sinto como se tivesse borboletas no estômago.
Definição: ansiedade.

Braço direito
Exemplo: José é meu braço direito nos negócios.
Definição: pessoa de confiança.

Cabeça-de-vento
Exemplo: Marcos é um cabeça-de-vento.
Definição: pessoa desajuizada, distraída.

Cabeça-dura
Exemplo: Meu namorado é muito cabeça-dura.
Definição: pessoa teimosa, que não ouve a opinião dos outros.

Cabeça fria
Exemplo: Ele é um cara cabeça fria.
Definição: calmo.

Cabeça feita
Exemplo: Minha filha é uma menina cabeça feita e vai atrás do que quer.
Definição: pessoa decidida, bem resolvida.

Cabeça-quente
Exemplo: Meu marido é muito cabeça-quente.
Definição: nervoso.

Calcanhar de Aquiles
Exemplo: Meus filhos são meu calcanhar de Aquiles.
Definição: ponto fraco.

Calo
Exemplo: Não pise no meu calo!
Definição: fraqueza, ponto fraco.

Cara de paisagem
Exemplo: João está fazendo cara de paisagem.
Definição: fazer de conta que nada está acontecendo; disfarçar.

Cara de pau
Exemplo: Você é muito cara de pau de ainda vir aqui!
Definição: cínico.

Cintura de violão
Exemplo: Aquela menina tem cintura de violão.
Definição: corpo curvilíneo como um violão.

Com bons olhos
Exemplo: Vejo suas novas amizades com bons olhos.
Definição: positivamente.

Coração de pedra
Exemplo: Aquela menina tem o coração de pedra.
Definição: pessoa fria, indiferente.

Costas quentes
Exemplo: Você só conseguiu esse emprego porque tem as costas quentes.
Definição: contatos influentes.

Dar a cara a tapa
Exemplo: Não é todo mundo que tem coragem de dar a cara a tapa.
Definição: expor-se, tentar provar um ponto de vista.

Dar o braço a torcer
Exemplo: Cansei de falar com alguém que nunca dá o braço a torcer.
Definição: concordar com o que o outro diz.

Dar ouvidos
Exemplo: Marina não dá ouvidos aos conselhos de sua mãe.
Definição: dar importância, acatar.

De braços cruzados
Exemplo: Não podemos esperar aqui de braços cruzados.
Definição: sem fazer nada.

Dedo duro
Exemplo: Foi o dedo duro do seu irmão que contou tudo.
Definição: fofoqueiro.

Dedo podre
Exemplo: Eu tenho podre para escolher namorado.
Definição: escolher mal.

Dente de leite
Exemplo: Meu filho arrancou o primeiro dente de leite.
Definição: dentes pertencentes à primeira dentição.

De pernas para o ar
Exemplo: A minha casa está de pernas para o ar.
Definição: desorganizado.

De olhos fechados
Exemplo: Confio em você de olhos fechados.
Definição: com convicção.

Dois dedos de prosa
Exemplo: Será que poderíamos ter dois dedos de prosa.
Definição: conversa breve.

Dor de cabeça
Exemplo: Esse cara só me dá dor de cabeça.
Definição: problema.

Dor de cotovelo
Exemplo: Você tá com uma dor de cotovelo que eu nunca vi!
Definição: sofrimento por amor.

Embaixo do nariz
Exemplo: O meu caderno estava bem embaixo do meu nariz.
Definição: algo óbvio ou próximo.

Em boca fechada não entra mosquito
Exemplo: É melhor não falar nada, pois em boca fechada não entra mosquito.
Definição: é melhor não revelar segredos para evitar problemas.

Entrar por um ouvido e sair pelo outro
Exemplo: Eu deixo as coisas negativas entrarem por um ouvido e saírem pelo outro.
Definição: ignorar, não dar importância.

Esfriar a cabeça
Exemplo: Vou andar pelo quarteirão para esfriar a cabeça.
Definição: acalmar-se.

Estender a mão
Exemplo: Quando precisei, você foi o único que me estendeu a mão.
Definição: ajudar.

Feito nas coxas
Exemplo: Essas tarefas foram feitas nas coxas.
Definição: mal feito.

Frio na barriga
Exemplo: Esse lugar escuro me dá um frio na barriga.
Definição: medo.

Fura-olho
Exemplo: Aquele seu amigo é um fura-olho.
Definição: pessoa que “rouba” o parceiro do outro.

Mão-de-ferro
Exemplo: Ele comanda os negócios com mão-de-ferro.
Definição: rigidez.

Mão-de-vaca
Exemplo: Eu sou muito mão-de-vaca.
Definição: indivíduo mesquinho; quem não gosta de gastar dinheiro.

Mãos de fada
Exemplo: Essa comida está uma delícia. Sua mãe tem mãos de fada.
Definição: fazer algo com maestria.

Matar na unha
Exemplo: Ele acha que me atinge, mas vou só matar na unha.
Definição: vencer pelo cansaço; ignorar.

Menina dos olhos
Exemplo: Não mexe nesse carro, porque ele é a menina dos olhos do Marcos.
Definição: algo precioso.

Meter o nariz o nariz onde não é chamado
Exemplo: Maria tem a mania de meter o nariz onde não é chamada.
Definição: intrometer-se nos assuntos que não lhe dizem respeito.

Na palma da mão
Exemplo: Tenho você na palma da mão.
Definição: possuir domínio sobre alguém.

Na ponta da língua
Exemplo: Qual era mesmo o nome daquele restaurante... Está na ponta da língua...
Definição: a ponto de ser dito.

Nervos de aço
Exemplo: O médico tem nervos de aço.
Definição: controle emocional.

O gato comeu sua língua?
Exemplo: Você está tão quieto... O gato comeu sua língua?
Definição: indagar a razão de alguém estar em silêncio.

Olho da rua
Exemplo: Vou te colocar no olho da rua!
Definição: demitir ou expulsar.

Olho gordo 
Exemplo: Aquele seu vizinho tem um olho gordo.
Definição: inveja.

Olho maior do que a barriga
Exemplo: Deixou sobrar comida porque tem o olho maior do que a barriga.
Definição: querer comer mais do que consegue.

Ombro amigo
Exemplo: Você é meu ombro amigo.
Definição: apoio, pessoa com quem se pode contar.

O que os olhos não veem o coração não sente
Exemplo: Não vou nem ver aquela confusão, o que os olhos não veem o coração não sente.
Definição: evitar o sofrimento.

Pé frio
Exemplo: Aquele seu amigo é muito pé frio.
Definição: azarado, que atrai má sorte.

Pele de pêssego
Exemplo: Sua mãe tem pele de pêssego.
Definição: pele bonita.

Pé quente
Exemplo: Eu sou pé quente.
Definição: sortudo.

Pernas bambas
Exemplo: A notícia que ele me deu me deixou com as pernas bambas.
Definição: ficar em choque.

Planta do pé
Exemplo: Pisei em um caco de vidro e cortei a planta do pé.
Definição: parte de baixo do pé.

Pulga atrás da orelha
Exemplo: Estou com uma pulga atrás da orelha em relação a esse assunto.
Definição: desconfiança.

Pulso firme
Exemplo: O supervisor tem pulso firme, por isso a empresa está crescendo.
Definição: agir com firmeza.

Quatro olhos
Exemplo: Eu amo meus amigos quatro olhos.
Definição: pessoa que usa óculos.

Queixudo
Exemplo: Aquele seu amigo é tão queixudo.
Definição: pessoa com lábia.

Quem tem boca vai a Roma
Exemplo: Quem tem boca vai a Roma.
Definição: quem se esforça por algo, consegue.

Quem vê cara não vê coração
Exemplo: Não acredito que ele fez isso. É como dizia o ditado: “quem vê cara não vê coração”.
Definição: as aparências enganam.

Revirar o estômago
Exemplo: A gororoba que servem naquele restaurante é de revirar o estômago.
Definição: algo ruim, desagradável.

Sangue de barata
Exemplo: Eu não aguento mais! Não tenho sangue de barata!
Definição: submeter-se a sofrer demais.

Sangue no olho
Exemplo: Eu vou conseguir porque tenho sangue no olho.
Definição: força de vontade.

Só pele e osso
Exemplo: Filha, coma melhor, porque você está só pele e osso.
Definição: estar muito magro.

Sorriso amarelo
Exemplo: Você está exibindo um sorriso amarelo.
Definição: sorriso falso.

Tapa na cara
Exemplo: Aquela palestra foi um tapa na cara de quem não gosta de ouvir a verdade.
Definição: choque de realidade.

Tapar os ouvidos
Exemplo: Tentei argumentar, mas ele tapou os ouvidos.
Definição: não dar atenção.

Tirar a água do joelho
Exemplo: Preciso tirar a água do joelho.
Definição: urinar.

Tirar a barriga da miséria
Exemplo: Está na hora de tirar a barriga da miséria.
Definição: comer.

Tomar vergonha na cara
Exemplo: Já está passando da hora de você tomar vergonha na cara e arrumar um emprego.
Definição: conscientizar-se.

Um olho no gato e o outro no peixe
Exemplo: Na vida você tem que estar sempre atento, com um olho no gato e outro no peixe.
Definição: estar alerta ao que se passa ao redor.

Unha de fome
Exemplo: Aquela menina é muito unha de fome.
Definição: miserável, avarento.

- Veja também:

Expressões populares com nome de animais

O que significa e de onde veio a expressão toque de Midas

0 comentários: