Por que os alunos não aprendem?

Ano após ano, vemos alunos de várias partes do país terminando o Ensino Fundamental ou o Ensino Médio e apresentando dificuldades de interpretar um texto ou de fazer contas matemáticas simples, como divisão e multiplicação. Mas o que faz com que essa situação se repita? Observei um conjunto de fatores e resolvi falar um pouco sobre cada um deles. Acompanhe:

Imagem: Freepik.

1. Falta de estímulo em casa
Antes que digam que algumas pessoas estudam mesmo que os pais não fiquem “pegando no pé”, as crianças e adolescentes devem, sim, ser supervisionados pelos pais ou responsáveis.


Alguns alunos vivem a lei do menor esforço, então se ninguém olhar uma agenda nem for à escola verificar como anda o rendimento do aluno e o comportamento dele, as tarefas continuarão em branco.

A agenda escolar, como falei, é muito importante para acompanhar o que o aluno está estudando, quais as datas de provas, o roteiro de estudo para as provas, avisos importantes sobre comemorações escolares, entre outras informações. 

Se tiver curiosidade de saber mais sobre a importância da agenda escolar, ainda tão subestimada, clique no link abaixo:


Além do que citei, existe o caso de famílias que não entendem as atividades dos alunos ou até mesmo não tiveram a chance de ir à escola.

Embora muitas famílias humildes estimulem seus filhos a estudar, outras não veem importância no estudo, pois viveram toda sua vida sem “precisar” dele.

Vendo isso, os alunos pensam que também não precisam estudar, pois se seus pais e avós conseguiram, então eles vão conseguir.

O que eles não percebem é que os tempos são outros e quando vamos em seletivas de emprego, cada curso ou experiência no currículo conta para se destacar.

2. Fome e miséria
Alguns alunos são pequenos, mas enfrentam lutas que nós adultos nem conseguimos imaginar.

Houve um episódio que me marcou muito, que foi quando uma aluna minha passou mal de fome. Ela disse que não havia almoçado (ela vinha de uma família muito necessitada), então a levamos para comer o lanche mais cedo, discretamente, para não constranger a criança.

Alguns alunos são quietinhos e apáticos não porque são bonzinhos, mas porque têm fome. Em muitos casos, damos mais frutas e deixamos repetir o lanche mais vezes porque sabemos que eles não têm o que comer em casa.

Às vezes uma criança calada não chama tanta atenção dos professores, alguns até gostam porque “pelo menos não atrapalha a aula”.

Mas é preciso verificar se elas não estão passando por algum problema familiar ou se estão aprendendo aquilo que ensinamos.

Pode ser também a personalidade da criança, mas sempre é necessário um olhar cuidadoso por parte do professor.

Se nós adultos não conseguimos assimilar bem as coisas ou ficamos irritados quando temos fome, imagine uma criança?

3. Falta de “base”
A tão chamada “base” é o conjunto de conhecimentos que fundamenta qualquer matéria.

Por exemplo: se um aluno chega ao Ensino Médio sem saber as quatro operações básicas, como podemos esperar que ele resolva uma equação? Como ele irá calcular porcentagem ou juros simples?

Imagem: Freepik.

Ou ainda, se um aluno não aprendeu a ler, como vamos exigir que ele encontre o sujeito de uma oração?

Precisamos observar a qualidade do ensino oferecido às crianças nos seus primeiros anos escolares, pois é com essa base que elas irão aprender os conteúdos dos próximos ciclos.

O que percebemos, por vezes, são escolas sucateadas, sem nenhum tipo de material para trabalhar com as crianças, salas superlotadas e profissionais com formações que deixam a desejar.

Você, que é professor, responda: Sua faculdade ensinou você a alfabetizar? Ensinou métodos para trabalhar sua matéria com os alunos com as mais diversas dificuldades de aprendizagem?

Muitas faculdades lotam os futuros professores com teorias e teorias, mas não os preparam para a realidade da sala de aula das escolas públicas brasileiras.

Parece que falta base para alunos e professores.

4. Falta de professores
Sabemos que o salário oferecido pela profissão de professor não é dos mais atrativos e carga de trabalho é muito pesada.

Esses fatores aliados a condições de trabalho precárias fazem com que muitos profissionais busquem outras escolas que remunerem melhor.

Dessa forma, ocorre uma fuga de professores das escolas mais carentes, deixando os alunos por semanas ou meses sem professor de determinada matéria.

Ocorre, então, um déficit de aprendizagem que fará falta nos anos seguintes, pois o próximo livro trará novas matérias que vão requerer um aprendizado que aqueles alunos não tiveram.

5. Sobrecarga de conteúdos
Eu sei o que muitos vão dizer: “mas aluno só estuda, não faz mais nada da vida, tem mais é que estudar mesmo”.

Imagem: Freepik.

Defendo sempre o estudo, mas existem algumas situações que talvez nós não paramos para analisar.

Em quatro horas de aulas (que é a carga horária mais comum das escolas) temos apenas 15 ou 20 minutos de intervalo (ou recreio).

Ainda não contabilizamos o tempo que as crianças lancham o que trazem de casa ou ficam na fila da cantina para o lanche.

O tempo que já era curto agora ficou menor. Assim, eles vão tentar usar o pouco que sobrou para extravasar toda a sua energia, daí surge o furacão dos intervalos escolares.

Muitos professores detestam a hora do intervalo porque as crianças correm descontroladamente e gritam bastante.

Devemos lembrar que criança tem que brincar e gastar energia, além de interagir com seus colegas.

Não dá para interagir nem brincar em uma aula em que se quer repassar o conteúdo.

Sei que muitos conversam até demais, mas será que se houvesse mais tempo para brincar e conversar as crianças e adolescentes não ficariam mais calmos em sala de aula?

Às vezes a escola é o único lugar em que veem seus amigos, pois hoje em dia não se pode mais brincar na rua como antigamente por causa da violência.

Em consequência disso, muitas crianças ficam em apartamentos ou casas sem espaço para brincar, usando celulares e computadores como diversão.

6. Quando eu vou usar isso?
A falta de perspectiva de aplicar algum conteúdo em sua vida prática faz alunos questionarem se devem “perder” seu tempo com aquela matéria.

Sejamos francos, nós que somos adultos não gastamos nosso tempo, esforço e dinheiro em algum curso que não vá trazer algum retorno financeiro ou crescimento pessoal.

Os alunos pensam da mesma forma. Entretanto, às vezes falta informação e exemplos práticos.

Nos juros simples, por exemplo, os alunos poderiam aprender as vantagens e desvantagens de comprar uma moto, um carro ou uma casa parcelados, por exemplo.

Isso já aproximaria o conteúdo da vida prática deles. Tornaria o que se fala mais atrativo. Deve partir do professor a iniciativa de fazer um paralelo dos conteúdos com a realidade dos alunos.

7. Avaliações engessadas
Precisamos ter notas para preencher o diário de classe. Sabemos que uma nota não define um aluno, mas as escolas têm que apresentar notas para os órgãos fiscalizadores.

Imagem: Freepik.

A prova é um momento e não define toda a aprendizagem e esforço daquele aluno durante o bimestre.

Lembro-me até hoje que, durante uma prova de Geometria do meu Ensino Médio, uma colega se levantou de repente e saiu chorando da sala.

Todos ficaram se perguntando o que aconteceu e descobrimos que, na casa dela na manhã da prova, seus pais tiveram uma briga muito violenta e aquilo a deixou abalada.

O professor, com uma atitude louvável, explicou a situação para a turma e falou que achava justo aplicar outra avaliação para aquela colega e a turma toda prontamente concordou.

Eu pergunto: aquela aluna falhou só porque não fez a prova no momento determinado? Não!

Infelizmente precisamos preencher notas, mas devemos avaliar o aluno integralmente.

Devemos levar em consideração sua pontualidade, assiduidade, entrega de atividades e trabalhos, seu interesse durante as aulas e até mesmo seus questionamentos e dúvidas.

Tudo isso faz parte do aprendizado e deve entrar na média final, não somente a nota da prova.

Então eu penso: será que o aluno não aprendeu ou os professores deixaram de perceber todas as formas de aprendizado que já citei?

Conclusão
Esse texto foi apenas uma reflexão sobre o sistema de ensino do nosso país e o contexto social enfrentado por muitos alunos.

Meu objetivo não é apontar culpados, mas sim mostrar que é mais fácil taxar alunos de preguiçosos do que tentar ajudá-los a recuperar o conteúdo defasado.

Devemos repensar nossa prática como professores e devemos também observar que uma prova sozinha não define aprendizado. Devemos considerar todo um conjunto de situações durante as aulas.

Creio, por fim, que tanto alunos quanto professores sofrem com a falta de estrutura, a superlotação e a violência.

Espero que esse texto possa ajudar de alguma forma pais, alunos, professores e familiares de alunos e professores a entender um pouco mais sobre a dura tarefa que é educar no nosso país. 

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Slots Provider Review - Jeopardy Bingo - KT Hub
    Slots Provider Review. Slot 보령 출장마사지 machine game 광주 출장마사지 review. Find 속초 출장안마 more 포항 출장마사지 about slots provider. Slots 보령 출장샵 Provider. Slots provider.

    ResponderExcluir