Tipos de argumentos para usar ou evitar na redação

07:00:00 Professora Manuka 0 Comentários

Na construção de uma redação, os argumentos utilizados são de vital importância para que o texto atinja uma boa pontuação. Entretanto, não são todos os tipos de argumentos que enriquecem a produção. Veja a seguir quais deles deve-se usar e quais deve-se evitar.

Imagens: Freepik.

Mostraremos a seguir os tipos de argumentos que podem validar a argumentação da sua redação e aqueles que, embora usados comumente, não podem ser empregados para embasar sua tese.

Para conseguir efeitos persuasivos mais seguros, podemos empregar diferentes tipos de argumentos. Por exemplo:


1. Argumento científico
É o que representa uma forma de convencer por meio de dados científicos ou estatísticos, pois esse tipo de dado é uma evidência aceita como fundamentação consistente ou mesmo incontestável. Exemplo:

“Estudo divulgado nesta semana indica que internações hospitalares relacionadas a ferimentos por tiros caíram 10,5% em SP e 7% no RJ desde o início da coleta.”

2. Argumento de autoridade ou citações
São argumentos construídos com base no que falam ou escrevem pessoas consideradas autoridades ou especialistas em determinados assuntos e que possuem um alto grau de credibilidade por parte da opinião pública.

A apresentação de argumento de autoridade pode ser feita de duas formas:

a. Citação direta da fala de um especialista ou autoridade no assunto
Faz-se a transcrição literal do que a pessoa disse ou escreveu, empregando apenas aspas na escrita. Exemplo:

“O desarmamento é apenas um dos ingredientes de uma feijoada”, compara o coronel da reserva José Vicente da Silva.

b. Citação indireta da fala de um especialista ou autoridade no assunto
Neste caso, reproduzem-se as palavras do autor com as palavras de quem está escrevendo o texto. Exemplo:

Para o sociólogo Jorge Werthein, representante da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) no Brasil, não se pode formular medidas de combate à criminalidade sem a adoção de políticas de inclusão social.

Observe que, no exemplo, são fornecidas informações sobre quem fez a afirmação para conferir credibilidade ao que foi dito.

3. Argumento de valoração
É aquele que se baseia em verdades que são de consenso geral. É o argumento que utiliza conceitos e ideias respeitados ou considerados inquestionáveis, aceitos universalmente, ou pela maioria das pessoas.

São exemplos desse tipo de argumento aqueles que fazem uso de ideias como paz, harmonia, respeito, liberdade, direito à privacidade, direito de ir e vir, coragem, bondade, etc.:

“Ninguém tem seu direito de ir e vir ameaçado pelo fato de não poder dirigir um carro sem possuir habilitação. E não resta dúvida de que a decisão, entre nós, está sendo tomada por caminhos democráticos.”

4. Argumento com uso de ironia
A ironia é uma forma de deixar transparecer a posição do autor contra alguma coisa. Dependendo do modo como é expressa, torna-se um argumento.

A ironia ocorre quando se diz algo para expressar o contrário, com a intenção de criticar, ou quando se empregam expressões que, no contexto, tenham a intenção de desqualificar alguém ou alguma coisa. Exemplo:

“A restrição [proibição da venda de armas] – alardeada por alguns como uma panaceia contra a violência – precisa ser considerada com cautela, para não alimentar mais ilusões.”

Essas formas de argumentar apresentadas até aqui, quando bem empregadas, tornam o discurso persuasivo mais convincente.

Para não comprometer o texto, devem-se evitar argumentos inconsistentes ou sem fundamentação lógica, tais como:


1. Apelo emocional
Apelar para os sentimentos dos interlocutores em relação a filhos, mãe, medos, sonhos, etc. Exemplo:

Pense se isso estivesse acontecendo com seu filho!

2. Clichês e chavões
Repetir o que todo mundo diz sobre determinado assunto, sem analisar se é realmente verdadeiro. Exemplo:

Políticos são todos iguais... O que se pode esperar deles, a não ser bobagens?!

3. Exemplos pessoais
Fazer generalizações com exemplos muito particulares. Exemplo:

Quando eu fico com raiva, tenho vontade de agredir a pessoa com quem discuto. Se eu tiver uma arma então, não sei o que faço, por isso o comércio de armas deve ser proibido mesmo... 

- Para resumir:

Tipos de argumento
Científico
Dados científicos ou estatísticos.
De autoridade
Citações diretas ou indiretas de opiniões, pensamentos, etc., de pessoas com credibilidade ou especialistas no assunto.
De valoração, com base em verdades universais
Conceitos, valores ou ideias respeitados por todos.
Com uso de ironia
Construção em que se fazem insinuações ou se diz o contrário do que se quer realmente expressar, para tecer uma crítica.
Inconsistentes
Apelo emocional/ Clichês ou chavões/ Exemplos pessoais, muito particulares.

Extraído de:

Tudo é Linguagem – 8ª série. BORGATTO, Ana Maria Triconi; BERTIM, Terezinha Costa Hashimoto e MARCHEZI, Vera Lúcia de Carvalho. Editora Ática. São Paulo: 2006. 

- Veja também:




0 comentários: